FALANDO DA ROMARIA 2017

O Santuário, ainda não fez a avaliação da romaria. Antecipo-me em fazer esse breve comentário público. A romaria para Bom Jesus da Lapa cresceu, está crescendo e crescerá muito mais. Quem mora na cidade, constata esse fato todos os anos e quem a governa, deve ter um olhar muito atencioso para essa demanda da vocação religiosa e turística da cidade. 
É do conhecimento geral que nenhuma cidade do interior da Bahia recebe, num período de 4 meses seguidos, tanta gente quanto a “Capital Baiana da Fé”, “a Meca dos Sertanejos” e “a primeira das 7 maravilhas do Brasil”, a cidade que nasceu à sobra do morro da Lapa, por iniciativa do peregrino português Francisco de Mendonça Mar (Padre Francisco da Soledade).
Não temos números exatos de peregrinos. Alguns falam entre 700 mil a 2 milhões de pessoas por ano, mas esses dados são aleatórios. A central de Informações do Santuário faz o cadastro das romarias e dos estados de onde são oriundas, mas é muito pouco para se chegar aos números. Isso requer um trabalho mais profissional de abordagem e de estatísticas numéricas. 
Entretanto, para o desenvolvimento da romaria e a prevenção dos impactos causados por ela, só serão resolvidos com o alargamento dos espaços e a mudança de logística no atendimento dos visitantes. Para isso, o poder municipal, a justiça, o Ministério Público, o empresariado local, prestadores de serviços, instituições afins e o Santuário devem formar parcerias para organizar as romarias e o turismo religioso na cidade.
Reconheço pessoalmente, que o prefeito Eures Ribeiro, desde o início de sua gestão, foi um grande expoente na preocupação com a montagem e a preparação da cidade para a Romaria. Pois, são muitas as demandas a serem orquestradas, organizadas e aplicadas: acolhimento, qualidade de serviço, ordenamento dos espaços públicos, pavimentação de praças, segurança, limpeza pública, saúde, água, etc. Na romaria desse ano foi muito mais visível a exterioridade dessa organização. 
A Secretaria de Turismo, também, atuou de forma sincronizada com as demais na condução de todos os ajustes. Porém, é necessário rever o trânsito nas vias públicas, a alocação dos vendedores ambulantes e os valores cobrados nas hospedagens na cidade, que são superiores aos de Aparecida/SP e Trindade/GO.
O Santuário e a Mitra diocesana, por sua vez, fizeram seus trabalhos na preparação das celebrações, publicidade nos meios de comunicação: via rádio, TV e rede sociais, instalações provisórias de novos espaços e convites aos pregadores, bispos e padres para o atendimento personalizado dos peregrinos.
Outros fatos importantes, no último dia, foram o decreto de registro do governador, Rui Costa, apresentado publicamente na festa do Bom Jesus, em tornar a romaria do Bom Jesus patrimônio imaterial da Bahia, a instalação e um novo aeroporto para voos comerciais e outros convênios locais. Assim, a cidade de Bom Jesus da Lapa será palco de muitas iniciativas que provocarão mudanças grandiosas nessa região do oeste baiano. 
Contudo, para Bom Jesus da Lapa não lhe falta potencial turístico, condições de atendimento, mesmo sendo insuficientes, clientela chega de várias partes do país e a beleza exuberante do morro e das grutas que deixam boquiabertos os romeiros e turistas, crentes ou céticos. Pois todos ficam admirados com o "capricho da natureza" nesse pedaço de chão, considerado “sagrado” para tantas gerações de tantos recantos do Brasil.

 

Pe. Roque Silva C.Ss.R.

Superior Vice-Provincial da Bahia